#DJF

Jornalismo Esportivo

No  Diário de um Jornalista em Formação de hoje o tema que será abordado é o Jornalismo Esportivo. Essa área de jornal é muito comum e muita gente é apaixonada. Mas afinal, o que é o jornalismo esportivo?

Jornalismoesportivo é a especialização da profissão jornalística nos fatos relacionados aos esportes (desporto, em Portugal), ginástica, jogos, hobbies e outras atividades de exercício físico.

O Jornalismo Esportivo é uma especialização que lida com alto grau de risco de parcialidade, pois tanto jornalistas quanto leitores têm preferências por determinados times ou atletas. Por isso,

o profissional da área deve tomar cuidado com a paixão ou repúdio que seu texto pode facilmente provocar no público (e em colegas).

Anúncios
#DJF

6 coisas que aprendi no curso de Jornalismo

Hoje no Diário de um Jornalista em Formação separei cinco coisas que aprendi durante esses dois anos de trajetória na faculdade (faltam mais dois 😦 vida que segue). Então vamos lá, pois sei que muitos vão se identificar mesmo não cursando Jornalismo.

  1.  Aprende a escolher as coisas, você come ou  gasta dinheiro com xerox.
  2. Pensando nisso, a segunda coisa é fazer de tudo para encontrar livro/texto na internet.
  3. E que a melhor coisa que existe é o Email, ficar imprimindo matéria/atividades sai muito caro, principalmente para quem não tem impressora como eu.
  4. Que nada são flores e que até no curso que você se identifica não é perfeito, muito menos as disciplinas que você fica tipo: “Como assim estou cursando isso?!”
  5. Porém, outras são bem interessantes, elas fazem ter certeza que você estar no curso certo.
  6. Por último é quando o final de período chega e ninguém aguenta mais ouvir as palavras matéria e entrevista.

Foi isso gente, espero que tenham gostado e se identificado, deixe nos comentários outras coisas que vocês aprenderam no curso, não precisa ser apenas de jornalismo. Um grande beijo e tchau!

#DJF

Mais um período…

E chegamos no quarto período do curso de Jornalismo! O que tenho a dizer sobre esse percurso? Tem que ter paciência, nada é perfeito e em universidade pública muito menos, os recursos são limitados, alguns professores deixam a desejar entre outras coisas. Mas, para quem realmente quer essa profissão esses são os primeiros de vários obstáculos para se enfrentar.

As minhas aulas já retornaram, mas minha bolsa só começa em fevereiro, estou aproveitando esse tempo para me organizar, pois depois fica tudo corrido, apesar que esse período está mais leve do que o anterior. Então, estou mais animada!

Nesse quarto (4° período) as disciplinas que irei pagar são Estudos Culturais em Comunicação, Oficina de Jornalismo Impresso, Relações Étnico – raciais e Roteiro. Tive contato apenas com a última disciplina ainda, ela pretende ser bastante produtiva e divertida, porém é a Oficina de Jornalismo Impresso é que estou mais animada, pois vamos aprender na prática como produzir o jornal.

Esse post foi mais informativo mesmo, até o próximo beijos!

#DJF

Jornalismo científico

Hoje tem Diário de um Jornalista em Formação! E irei abordar outra área do jornalismo que é a da ciência.

JORNALISMO-CIENTIFICO

 

O jornalismo científico, que em primeiro lugar deve ser considerado jornalismo, depende estritamente de alguns parâmetros que tipificam o jornalismo, nomeadamente a periodicidade, atualidade e difusão coletiva. O Jornalismo Científico é próximo de outras atividades semelhantes, como a divulgação científica, porém distinto na medida em que não apenas informa o público sobre ciência mas procurar trazer reflexões e discussões atualizadas sobre ciência, tecnologia e sua relação com a sociedade.

 

#DJF

Jornalismo Cultural

Mais um Diário de Jornalista em Formação, hoje vou falar sobre Jornalismo Cultural!

Como o próprio nome diz é a área do jornalismo que trabalha com a cultura, como a música, artes cênicas e visuais, literatura, cultura popular, etnia etc.

Uma função específica do jornalismo cultural é o crítico, que escreve análises críticas e comentários sobre determinada obra ou artista. Geralmente, o crítico se especializa numa determinada arte ou estilo e procura ter um sólida formação teórica (ou acadêmica) para fundamentar as suas opiniões. O texto da crítica é normalmente subjectivo, mas com fundamento. Pela informação técnica que o crítico coloca em suas matérias, o leitor terá mais dados para fazer a sua própria avaliação (aqui).

Essa é a área que pretendo seguir, me interesso muito por cultura, não interessa de onde é ou como é, cultura é cultura, coisa complexa em que vivemos, cada um com a sua.

Então foi isso gente, até o próximo #DJF!

Beijos